sábado, 21 de novembro de 2009

Nadifica-te

Adentraram a escuridão
Na floresta silenciosa
gotas de orvalho brilhavam
Refletindo a parca luz da lua
que em feixes
entre os galhos
-ramificações das árvores-
escassos, dissipavam-se

Num instante todos ficaram imóveis
Ele se afastou do grupo
Sentando-se isolado em folhas secas que cobriam o chão

O silencio ainda inerte expandia o tempo

Com lágrimas nos olhos
deixou-se apoderar
por todo sufocamento do mistério

3 comentários:

sidnei olívio disse...

"o silêncio expandia o tempo..."
Grande Sérgio, grande poeta, grandes poemas.
Abraço.

Lisa Alves disse...

a noite é realmente maginifica. Adorei seu espaço.

Silvana disse...

este é muito lindo, me tocou.