terça-feira, 5 de agosto de 2008

Um poema antigo: anacronismos...um dia escrevi "normalmente"

Sentimentos

Sou tão dolente
que sou um grande indolente.

Sinto muito
Mas não tenho pena de ninguém.

Os sofrimentos burros só me irritam.
A pobreza indigna-me
ou passa despercebida.

Mas o que realmente sinto
é a solidão dos abismos do meu pensamento.

Os abismos são sempre desertos.
Sinto a solidão, só assim serve.

De qualquer jeito me reúno
com meus amigos mortos e virtuais.
Nos encontramos nos abismos
mas só nos que eles me levam.

Meus amigos mortos e virtuais
pegam-me cuidadosamente pela mão,
levam-me aos seus abismos particulares.

Nós nunca nos tocamos...
Nunca nos falamos...

Eu ainda não levei ninguém
aos meus abismos particulares.

Espero que, quando tornar-me pó,
ou virtual,
possa levar meus novos amigos,
cuidadosamente pela mão,
aos meus abismos.

Um comentário:

Emiliano Nunes disse...

Muito bom!
Gostei de galgar seu abismo.